domingo, 15 de setembro de 2013

KANT PARA PRINCIPIANTES - Introdução


 "O homem é a medida de todas as coisas", Protágoras


Escrever sobre Kant (1724-1804) de forma acessível não é fácil. Kant escondeu o cerne do seu
solipsismo num primado de categorias, juízos, críticas (da razão pura, da razão prática, do juízo). A sua linguagem parece a linguagem de um iniciado na escola pitagórica. Ocorre a ideia de que raras são as pessoas que realmente leram a obra de Kant e menos as que a entenderam bem, embora existam muitos arautos do virtuosismo da sua filosofia. Sobretudo da sua ética. Por vezes os entendidos parecem ser os menos objectivos. Ocorre-me o ex-presidente do Supremo Tribunal de Justiça, que emitiu uma série de boçalidades sobre a primazia da moral kanteana sobre a moral cristã. Faremos um pequeno ensaio, de principiantes para principiantes, socorrendo-nos da preciosa ajuda, na parte final, de Chesterton, Jaime Balmes, Karl Popper, João Paulo II e Joseph Ratzinger.

Kant é o cerne da filosofia moderna. Se Descartes colocou o homem no centro do mundo, Kant forneceu-lhe uma ética alternativa à ética cristã e construiu um sistema centrado no homem, uma espécie de torre de Babel. Deus deixou de poder ser conhecido e teve que se submeter, se é que realmente sobreviveu, à ética dos homens. O contrato social de Rousseau atribuiu à lei o valor do dogma, retirou o foco do bem geral, para o centrar no indivíduo, enfraquecendo, por consequência, a família. Ao afirmar que “o que se pergunta num Parlamento quando se propõe uma lei não é se as pessoas aceitam ou rejeitam a proposta, mas se ela está em conformidade com a vontade geral que é a vontade delas”, retira-se ao indivíduo a possibilidade de efectuar um juízo crítico sobre a lei em si e a depositar nas mãos dos deputados “o sentimento da vontade geral” - que realmente expressa o interesse das classes dominantes – e que deve ser tomada como a vontade da própria pessoa. Rousseau viria a ser uma das maiores influências em Kant, juntamente com o empirismo de Berkeley e Hume e o mecanicismo de Newton. Após Kant tudo se submete à lei, até o pensamento humano (Jaime Balmes)1.

Kant é o ícone da actual contra-cultura oficial desta sociedade laica apóstata. Até Platão acabou por ser subestimado nos programas de filosofia do ensino secundário. Apenas para que aos jovens não seja dado qualquer conceito filosófico com base na metafísica. Estamos em plena luta intelectual, espiritual, no gramscismo cultural. É o culto dos sucedâneos de Kant: Hegel e Nietzsche, Heidegger, o niilismo da escola de Frankfurt, o desconstrucionismo, Foucault, Derrida e Habermas.


Quanto ao conceito de aquisição do conhecimento, Kant inicia a sofística moderna. Tal como os antigos sofistas, cobrava para dar educação, concentrada no logos ou discurso, usando estratégias de argumentação. Foi o primeiro filósofo após a Idade Média a tornar-se um académico profissional. Esta profissionalização da filosofia ficou institucionalmente firmada após Kant.

Os sofistas afirmavam que a virtude é passível de ser ensinada e é relativa, pois  a moralidade ou imoralidade de um acto não poderia ser julgada fora do contexto cultural em que aquele ocorreu. A principal doutrina sofística consiste numa visão relativa do mundo (contrariamente a Sócrates que, sem negar a existência de coisas relativas, buscava verdades universais e necessárias). Não é o ser humano quem tem que se adaptar a padrões externos a si, que sejam impostos por qualquer coisa que não seja o próprio ser humano.
Para Górgias, mesmo que se admitisse que o "ser" existisse, seria impossível captá-lo. Mesmo que isso fosse possível, não seria possível enunciá-lo de modo verdadeiro e, portanto, seria sempre impossível qualquer conhecimento sobre o "ser".  Os sofistas tentavam explicar o mundo fenomenal, sem recorrer a quaisquer princípios fora dos fenómenos. Eles acreditavam que isso poderia ser feito incluindo o observador dentro do mundo fenomenal. A sua recusa em ir além do fenómeno era, para Platão, a grande fraqueza no seu pensamento. O que Górgias atacou não foi a realidade percebida, nem o poder de a perceber, mas a tentativa de atribuir existência ou não (com as implicações metafísicas de uma tal operação) ao que percebemos à nossa volta2. O paralelo com Kant é inevitável. 

Contrariamente ao que se crê, no nosso tempo, a “iluminação” alemã, chamada Ilustração, Aufklärung, assentava, na Prússia, não só num ambiente de liberdade vigiada e cerceada, mas de dependência e coacção de artistas e filósofos para com os seus senhores, mecenas políticos. Por isso Kant elabora para Frederico, o Grande (1712-1786), o mote: “Obedeçam e serão capazes de raciocinar tanto quanto quiserem!” e Frederico, o Grande, adopta a máxima: “O meu povo tem a liberdade de dizer o que quiser, desde que obedeça.”

Kant era um homem que o comum dos mortais consideraria um maníaco desequilibrado3:
Viveu sempre no mesmo sítio, Königsberg, de onde nunca se afastou mais do que 40 Km, comia apenas uma refeição por dia, efectuava uma maquinal caminhada diária sempre às três horas da tarde e sempre com a mesma duração de 30 minutos. Apenas não a efectuou duas vezes em toda a sua vida: um dia para saber pelo carteiro notícias da Revolução Francesa, outro dia porque se embrenhou na leitura do livro Emílio, do suíço J. J. Rousseau (1712-1778), um manual de educação escrito por um homem, misantropo, que colocou todos os seus cinco filhos num orfanato e depois escreveu um livro sobre educação. Viveu sempre apenas com o seu criado, Lampe, até o despedir no final da sua vida por pretenso assédio sexual. Lampe, ex-soldado do exército prussiano, tinha ordens expressas para o acordar todos os dias às 4.55h da manhã com o berro: “HERR PROFESSOR; SÃO HORAS!”

A vida que viveu, de maneirismos, de estereótipos, de hábitos deprimentes (como até Nietzsche afirmou), foi quase abstracta. Foi uma ode à educação pietista4 que recebeu, “de extremo rigor e receio, autêntica escravatura da juventude”. Essa disciplina pedantescamente sombria, “desses fanáticos”, provoca-lhe uma aversão a todas as formas de religião, que não se encaixam no espartilho da razão formulada pela sua própria cabeça. Apesar de apreciar a vida social, não partilha a sua vida pessoal. Exibe sinais de misantropia: embora desse algum dinheiro às suas irmãs, manteve-se longe do contacto de todos os seus irmãos por mais de 25 anos. Nunca partilhou a sua caminhada diária com ninguém pois receava falar e assim respirar pela boca em vez de pelo nariz, o que na sua opinião lhe provocaria doenças. Também tinha sinais de misoginia: “O casamento é apenas um acordo com o fim do uso recíproco dos órgãos sexuais”. Detestava os fluídos corporais, razão porque o seu quarto não era aquecido, para evitar em absoluto qualquer sinal de transpiração na sua camisa de dormir.

Kant viveu só, apenas ajudado pelo criado Lampe, que despediu em 1802. Escreveu no seu diário: ”Nunca mais me deve ser recordado o nome Lampe”. Entre 1802 e 1804, ano de sua morte, Kant vive um epílogo atormentado por terrores nocturnos, pela demência, pela desorientação, pela insónia e o medo de adormecer, pela cegueira, pelo mergulhar cada vez mais para dentro de si próprio5. É uma ironia. Uma de suas irmãs, de quem Kant evitou rigorosamente qualquer contacto, tratou dele nos últimos dois anos. Não a reconhecia. Não sabemos se ela o fez por estrito sentido do dever ou por compaixão. Ironicamente ficou sepultado em Königsberg, hoje Kaliningrad, enclave russo. Caíram bombas sobre a sua cidade, a população alemã foi estuprada, chacinada e deportada, perdeu a nacionalidade, logo para um povo que o seu Kaiser, Frederico II, considerava bárbaro6.

A primeira ideia que importa reter é que todo o pensamento de Kant parte do “Eu” e dele nunca chega a sair. Como se, como dizia Balmes7, tivesse pânico de sair da ilha da sua mente e mergulhar num oceano de desconhecido - à semelhança do medo que sentiu em abandonar a sua cidade e conhecer mundo.

Algumas das bizarrias deste método são mais aparentes, porque objectivas, nas formulações de Kant sobre ciência:

-“Estou seguro de que a orientação do eixo da Terra pode mudar por influência das explosões vulcânicas.”
-“O período de rotação da Terra está a aumentar devido ao atrito das marés contra o leito do mar provocado pela lua.”
-“Estou convencido que a electricidade provoca estranhas configurações de nuvens e uma doença generalizada nos gatos.”

O pensamento filosófico de Kant é marcado pelo cepticismo, por uma perda de fé, quer na religião, quer na metafísica, quer mesmo na noção de bondade humana. Por isso as sociedades onde predomina a moral de Kant, são sociedades onde os cidadãos se vigiam uns aos outros e imediatamente se denunciam. A sua formulação tem subjacente o princípio de que todos os homens são maus ou, como diria Rousseau, se tornaram maus. Bom mesmo, só o selvagem e o nascituro. Em Kant não há lugar à misericórdia nem ao perdão, mas ao respeito da lei. A moral é uma formalidade e esgota-se na lei. Em Kant a caridade resume-se ao cumprimento de um dever, independentemente dos seus resultados práticos. Não existem acções morais exemplares, as acções morais são sempre singulares. Ninguém se deve sentir feliz por praticar o bem.
 “As emoções humanas representam o mais radical fracasso da razão e do racionalismo, na medida em que tomam a ética como o aspecto supremo da humanidade, acima do conhecimento.”8


António Campos

Descarregar PDF: https://docs.google.com/file/d/0BwCFS_WLZxTgNXY4ZVZHX0RBaDg/edit




1 Art d’Arriver au Vrai, Philosophie Pratique, Jaime Balmes, 5éme ed, August Vaton, Paris, 1860

Rafael Gambra, História Sensilla de la Filosofia. Ediciones Rialp, SA, Madrid, 1991.

 Os sofistas ensinavam que todo e qualquer argumento poderia ser refutado por outro argumento, e que a validade de um dado argumento residiria na verosimilhança (aparência de verdadeiro, mas não necessariamente verdadeiro) perante uma dada plateia. Dada sua alta capacidade de argumentação os sofistas são considerados os primeiros advogados do mundo. São também considerados por muitos os guardiões da democracia na Antiguidade, na medida em que aceitavam a relatividade da verdade. Hoje, a aceitação do "ponto de vista alheio" é a pedra fundamental da democracia moderna.


3 Christopher Want, Kant for Beginners, ed Richard Appignanesi, 1996. http://hotfile.com/dl/170262997/2a032cc/Kant%20para%20principiantes.pdf


4 Ladislau Mittner, Storia della Letteratura Tedesca, Dal Pietismo la Romanticismo, Giulio Einaudi Editori, Milano, 1964.


Lutero aliou-se aos Príncipes contra o movimento camponês místico e irracionalista, dando origem ao luteranismo ligado e submetido ao Estado. Nasceu assim um protestantismo racionalista, que procurava dar uma interpretação da Escritura mais por meio da pesquisa “científica” dos textos sagrados do que pela inspiração pessoal, que os anabaptistas atribuíam à inspiração do Espírito Santo. Desde então, formaram-se duas correntes no protestantismo:

     1 - Uma corrente racionalista, “científica”, ecléctica, do protestantismo, que procurava conhecer os mistérios da Bíblia por meio de uma hermenêutica fundamentada na pesquisa linguística e histórica nos textos sagrados;
     2 - Uma segunda corrente mística e irracionalista, que pretendia ser guiada directamente por inspiração do Espírito Paráclito, e que iria dar origem às seitas mais radicais, comunistas e carismáticas, do protestantismo.

     Foi nesta segunda corrente, que surgiu a figura mística do sapateiro Jacob Boehme, cujos escritos — profundamente eivados pela Cabala de Isaac Luria de Safed — vai ter uma influência decisiva e profunda no processo religioso, filosófico, artístico e científico de todo o Ocidente.
     Foi dos escritos gnóstico-cabalísticos de Jacob Boehme que nasceu o Pietismo de Spenner, o qual, por sua vez gerou a Filosofia Idealista alemã e o Romantismo. Kant, Herder, Haman, Goethe, Schelling, Schleiermächer, Novalis, Hegel, foram de origem pietista.  

Orlando Neves, 80 Vidas que a Morte não Apaga, Público, 1997, pp. 57-60.

6 GK Chesterton, The Barbarism of Berlin, 1914.

7 Jaime Balmes, Filosofia fundamental, 1852

8  G.Mayos, Gonçal. Filosofía; Curso de preparación para la prueba de acceso a la universidad para mayores de 25 años, Barcelona: EducaciOnline, 2008, pp. 1-35. 


Sem comentários:

Enviar um comentário