sábado, 28 de setembro de 2013

KANT PARA PRINCIPIANTES - A Crítica da Razão Pura: os limites da razão humana para adquirir o verdadeiro e seguro conhecimento



“O colapso da filosofia germânica ocorre sempre no começo dos argumentos, mais do que no desenvolvimento e na conclusão”, G. K. Chesterton6



Este livro23 publicado em 1781 não teve sucesso e Kant sentiu-se na necessidade de
dele escrever um resumo, em forma de introdução, menos labiríntico, dois anos depois: Prolegómenos de Toda a Metafísica Futura (1783). Para Kant, a filosofia cessa a dimensão metafísica e passa a ser “a ciência da relação de todo o conhecimento com os fins essenciais da razão humana” ou “o amor que o ser razoável tem pelos fins supremos da razão humana.” Trocado por miúdos, o conhecimento torna-se apenas subjectivo e relativo a cada mente humana, é essencialmente relativo e imanentista.

Toda a percepção entra em formas que são inatas, naquilo a que Kant chama Imaginação (formas de sensibilidade: Espaço e Tempo) e naquilo a que Kant chama o Entendimento (formas do entendimento ou categorias)24, tal como a água ao entrar em recipientes diferentes adopta a forma de cada um dos recipientes. Espaço e Tempo são independentes entre si, um como forma de sensibilidade “interna”, outro como forma de sensibilidade “externa”.

O sujeito é o construtor do conhecimento, logo espaço e tempo não são propriedades do objecto, mas sim do sujeito. Sendo assim, nós é que colocamos espaço e tempo nas imagens que efectuamos das coisas, i.e., nos fenómenos. Na continuação da análise ao problema do conhecimento, consideramos agora a questão da definição de Espaço e Tempo.

Para Kant, os conceitos de espaço e tempo não residem na natureza, mas dentro da nossa mente. São inatos e imanentes, vêm “de dentro”.
Como podem, a noção de espaço e tempo e as próprias categorias, ser universais e necessárias, a priori, quando todas as mentes humanas diferem imenso entre elas? A orientação no próprio espaço difere imenso entre as pessoas e ao longo da vida. Porque é que uns vêem “coordenadas” no espaço que outros não vêem? E se dentro do mesmo sujeito, varia ao longo da vida, não se aprende, não tem algo de empírico?

Claro que esta formulação levanta uma objecção séria: se o Espaço e o Tempo só existem dentro e dependentes do homem e nunca na natureza em si, se a ciência nos revela que a origem do Universo é anterior ao homem, como poderiam existir o espaço e o tempo antes que houvesse homem?

Citando o livro de Job (que Kant apreciava particularmente): “Onde estavas tu quando lancei os fundamentos da Terra?”25

Outra objecção prende-se com a afirmação de Kant de que interpretamos o tempo como uma sucessão, mas que tal nada tem a ver com a propriedade das coisas que observamos, mas apenas com nós próprios. O que Kant não explica é como percebemos a diferença de umas coisas nessa sucessão e não percebemos a diferença de outras. Por exemplo um rosto altera-se com o passar do tempo, mas numa rocha não percebemos a mesma alteração. Não se compreende a diferença se afirmarmos, como Kant, que não sabemos se existe nas coisas uma sucessão real26.


Para Kant é impossível imaginar o infinito e o vazio. Após a exploração espacial e a formulação da teoria do Big Bang, nós não só sabemos que o vazio existe, como sabemos que uma quantidade finita de matéria e energia se expande num espaço vazio infinito. Portanto, temos uma noção empírica quer do infinito quer do vazio.

Temos a representação matemática do vazio, 0 ou { }, e do infinito, ∞ . E para Kant são válidos os conhecimentos, sobretudo matemáticos, que possuímos na nossa mente, os chamados juízos a priori.

Mas se o espaço e o tempo parecem estar ligados no mundo macroscópico com o Big Bang, o que dizer do mundo ultraestrutural? No mundo subatómico, com o princípio da incerteza de Heisenberg, demonstra-se que espaço e tempo estão intrinsecamente relacionados, por meio da velocidade, e que tal interfere com a possibilidade de localização espacial.

Outro exemplo: a constituição da matéria implica movimento das suas partículas, ou seja, espaço percorrido por unidade de tempo. Quanto maior a energia, maior essa agitação. Não existe matéria “parada”. Sabe-se que o vazio inimaginável para Kant, é o maior constituinte da matéria: à escala, a distância entre dois átomos adjacentes equivale a uma distância de 30 Km entre dois indivíduos.

Na verdade, nós somos essencialmente vazios.

 E pela conversibilidade entre matéria e energia, E=mc2 (a chamada equação da destruição), a energia é apenas a forma que a matéria assume ou vice-versa, m=E/c2 (também chamada a equação da criação).


Então porque Kant afirma ostensivamente que ao homem não é dado imaginar o infinito e o vazio? A resposta só pode ser uma: para contrariar o conceito metafísico de espaço e tempo como condição da existência das coisas, o conceito metafísico de que espaço e tempo são conhecidos a partir do objecto, o conceito metafísico de que espaço e tempo estão para além do homem e que, para eles, também existe uma causa primeira, como a própria ciência postula com a Teoria do Big Bang.

Permanece a ideia de que Kant não seguiu o caminho do cientista ou do livre pensador, que a partir de dados constrói conclusões; fica a ideia deprimente de que Kant partiu de premissas prévias, isto é, de que é necessário negar a metafísica para se ser racional.


Se a mente humana passa a ser a dimensão máxima do conhecimento, ignora-se a variabilidade subjectiva, a natureza particulada do real, representada por cada mente humana em particular e pelo conjunto das mentes humanas. Na tentativa de arranjar uma certeza absoluta, Kant diminui a sensibilidade da sua teorização para tentar ganhar especificidade. O erro de análise em que incorre é o de aumentar o número falsos negativos- haverá muita coisa que fica por detectar.


A razão humana não é autónoma. Ela não só depende do sujeito como do contexto cultural e histórico. A própria mente de Kant estava condicionada pelos acontecimentos da Revolução Americana e Francesa, pelos postulados de Descartes e de JJ Rousseau, pelo ambiente político e social na Prússia, por Frederico, o Grande, e Voltaire, pelo empirismo e o racionalismo, pelo mecanicismo de Newton.

Na verdade, estava longe de se supor que existiriam formulações da ciência que estão para além da mecânica clássica de Newton, como a teoria quântica e a teoria da relatividade. Os contemporâneos de Kant (e isto demonstra como a mente humana é escrava do seu tempo) pensavam que todas as descobertas físicas apenas se somariam ao edifício de Newton e nada existiria fora do seu âmbito. É curioso ser a ciência a revelar a insuficiência do pensamento de Kant.



Kant parte desta crença de base, o cepticismo, para desenvolver a noção de três juízos27, cuja finalidade fundamental é excluir uma noção cognoscível da metafísica ou da existência de Deus:

- Os juízos analíticos, a priori: são compostos por noções evidentes que não resultam da experiência e em que o predicado (isto é, a qualidade do sujeito) nada acrescenta ao sujeito. Por exemplo, o triângulo tem três ângulos ou todo o efeito tem uma causa. Kant exclui desta zona de evidência qualquer conceito moral ou qualquer noção de existência transcendental. É o domínio do Espaço e da Geometria. Mas Kant não pode incluir neste conceito a geometria não euclidiana28.


- Os juízos sintéticos a posteriori: decorrem da experiência. Por exemplo, a neve é branca ou todas as pessoas nesta casa são mulheres. Apesar de resultarem da experiência, Kant afirma que estes juízos não têm validade científica, porque se podem modificar com o tempo. Esta afirmação ignora que os conceitos científicos também se modificam com o tempo.
Esta é uma refutação forte contra a própria existência autónoma dos juízos sintéticos a priori.


-Os juízos sintéticos a priori: Kant diz que se estes juízos não existissem não poderíamos falar de conhecimento científico. Ou seja, todo o conhecimento científico, para Kant o verdadeiro conhecimento, é deste tipo. Curiosamente muitos duvidam da sua existência e afirmam que nesta existência assenta toda a construção kanteana. Na verdade Kant tem a noção de que o conhecimento científico se adquire por experiência, mas a experiência é, para Kant, não universal- Kant mistura a experiência subjectiva, pessoal, empírica, com a experiência obtida pelo método científico - daí a sua conclusão que o conhecimento obtido pela experiência não é universal. Ele ter-se-ia que somar ao edifício científico mecanicista Newtoniano, constituindo assim o banco de dados dos juízos sintéticos a priori.


Infelizmente para Kant, a ciência não se limita a somar. A ciência destrói conceitos anteriores e está constantemente a refazer. Além disso, como o demonstraram a teoria quântica e a teoria da relatividade, a ciência encerra em si um grande grau de incerteza. Uma vez que a teoria da relatividade e a teoria quântica encerram algumas contradições mutuamente exclusivas, elas retratam apenas dois modos diferentes de observar o ambiente físico. Provavelmente, ambas estarão certas, mas pode perfeitamente supor-se que ambas estarão erradas.

Ainda sobre os juízos sintéticos à priori, Kant dá o exemplo de “a linha recta é o caminho mais curto entre dois pontos”. A sua justificação é a de que “mais curto” (quantidade) não depende do conceito de “linha recta”(qualidade); que “mais curto” acrescenta algo a linha recta; não depende da experiência; é reconhecido como universal e necessário, ou seja, verdadeiro para todos os homens.

Mas será mesmo assim?

- Mais curto pode não ser algo de quantitativo, pode ser uma qualidade, um comparativo. Por exemplo, um homem mais curto do que outro pode perfeitamente ter 1,80m (desde que o outro meça por ex. 1,85m).

- O caminho mais curto entre dois pontos pode nada acrescentar a “linha recta”, na medida em que, por definição, a linha recta é o caminho mais curto entre dois pontos.
Outro exemplo é que Kant atribuía aos teoremas o carácter de juízo sintético a priori, mas todos sabem que os matemáticos avançam segundo princípio da contradição.

E será que o conhecimento científico não avança com base na experiência, sendo sintético a posteriori?

Tomemos a proposição: “O caminho mais curto entre dois pontos é uma linha recta.” Hoje, com base na experiência, estamos em condições de afirmar que mais frequentemente no universo, em virtude do conceito de massa e de campo, o caminho mais curto entre dois pontos é, de facto, uma linha curva. Outro conceito, é de que o caminho mais curto entre dois pontos, quando um deles se desloca no espaço, é de facto uma linha parabólica.
Na verdade, verifica-se, hoje em dia, uma recusa geral em considerar as proposições geométricas como verdades sintéticas a priori28.

A dúvida: fica a ideia que o conceito de juízo sintético a priori foi construído propositadamente para encaixar a metafísica e a ideia de Deus, transformando a metafísica numa imagem apenas interna ao homem e dele dependente, o que encerra em si uma outra antinomia.



“Se desejamos pensar bem, temos que procurar conhecer a verdade, quer dizer, a realidade das coisas. De que serve discorrer com subtileza, ou com profundidade aparente, se o pensamento não é conforme à realidade? Um simples lavrador, um modesto artesão, que conhecem bem os objectos da sua profissão, pensam e falam melhor sobre eles que um filósofo presunçoso, que, em elevados conceitos e palavras altissonantes, lhes quer dar lições sobre aquilo que ele não entende”, Jaime Balmes29.



 António Campos




Descarregar PDF: https://docs.google.com/file/d/0BwCFS_WLZxTgNXY4ZVZHX0RBaDg/edit



23 I. Kant, Crítica da Razão Pura, Fundação Calouste Gulbenkian, 4ª ed., 2001.

24 Na primeira secção da crítica da razão pura, A Estética Transcendental, que significa a sensação dos númenos, Kant deixa bem claro de que não se preocupa com o que os dados podem ser nem com o que representam. Apenas se preocupa com a sua forma, como são formados na mente humana. Aliás, fruto da sua noção de que não existe o conceito de presença, o objecto em si ou númeno pode muito bem não existir e, desse modo, a imagem ou representação pode, de facto, representar o objecto ou ser ela própria o objecto, isto é, existir sem aquilo que deveria representar- Kant oscila entre a afirmação de que o mundo numenal “é” ou de que “não é”. Na verdade, fica-se pela afirmação de que nada se pode dizer sobre o mundo numenal- a sua influência empirista não desaparece de todo e a formulação de que tudo o que conhecemos pode ser virtual, uma ilusão, não é eliminada totalmente do seu raciocínio.

Kant denomina a percepção como imaginação e o reconhecimento como entendimento, como se os dados entrassem em prateleiras pré-formatadas na mente como a água entra num recipiente adoptando a forma do recipiente, as formas:

Formas da sensibilidade: Espaço e Tempo

Formas do entendimento: Categorias
[substância (homem), quantidade (1,80m), qualidade (negro), relação (triplo), lugar (casa- mas casa pode cair em substância e Kant não justifica a antinomia), tempo (hoje), posição (erecto), posse (tem camisa), acção (corre), passividade (é cronometrado)].
Estas formas a priori alteram o dado recebido de forma que o conhecimento recebido não é o da coisa em si, mas o resultado do que o sujeito captou da coisa mais o que o sujeito colocou na coisa.


25 Job, 38, 4. Bíblia Sagrada, Difusora Bíblica (Missionários Capuchinhos), 9ª ed., Lisboa, 1981.


26 Existe algo da nossa experiência com essas características, i.e., em que a realidade não está nas coisas mas em nós, que pode ser usado como refutação simples: o mundo onírico. Nos sonhos, as imagens da nossa vida real são tomadas como objecto; objecto para as imagens dos sonhos. Mas a distinção entre sono e vigília assenta em pressupostos:

-a continuidade temporal (presente apenas na vigília),
-a universalidade (alguém me viu ontem a jantar, mas ninguém sabe o que eu sonhei),
-o nexo causal ou princípio causa-efeito (só nos sonhos eu nunca morro),
-o princípio da não contradição (só nos sonhos posso ser simultaneamente solteiro e casado),
-a localização no espaço e no tempo (se o espaço e o tempo apenas existissem dentro da nossa cabeça, por que razão nos sonhos não existe continuidade espácio-temporal, uma vez que vêm “de dentro”?).

Será um exagero afirmar que, por vezes, estes filósofos sonham acordados?

27 Carta a Marcus Herz, Fevereiro de 1772.
Kant explica:

1- Ser casado significa ser não solteiro, ou seja, o efeito (ser casado) está contido na causa (ser não solteiro), é um juízo (analítico) a priori.

2- Mas no exemplo de o João é casado, o predicado (a qualidade ou característica) já não está contido no sujeito, pois nem todos os Joões são casados. É um juízo sintético a posteriori.

3- Os juízos sintéticos a priori devem ser rigorosamente independentes da experiência. Dá como exemplo os juízos matemáticos, 2+3=5. O cinco encontra-se ligado ao 2 necessariamente pela operação + e pelo número 3. São universais e necessários e independem da experiência. Kant afirma ser este o domínio da matemática, da física e da metafísica.

a) É muito discutível que a álgebra e o cálculo matemático não resultem da experiência. A invenção do zero pelos árabes, ou, mais correctamente, pelos persas, é um exemplo elucidativo.

b) A operação exemplificada é universal e necessária porque foi efectuada com números ímpares. Vejamos o caso dos números pares, 2+2=4. Será que 4 se relaciona com o número dois necessariamente pela operação +? Não. Também a operação x os relaciona do mesmo modo. Pode argumentar-se que a multiplicação é, na verdade uma adição sucessiva de parcelas semelhantes. É verdade, mas implica um conceito adicional.

28 Júlio Esteves. O Papel da Intuição e dos Conceitos nas Teorias Kanteanas da Geometria. Studia Kantiana 14 (2013):34-54.

29 Jaime Balmes, El Critério, A. Brusi, 1845: http://dfists.ua.es/~gil/elcriterio.pdf.


1 comentário:

  1. Parabens esta muito bom tenho 14 anos sou bastante interesado por filosofia gostei do blog

    ResponderEliminar